segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

3 comentários:

mariam disse...

Arlindo,

no seu quintal cresce uma amoreira, suas folhas alimentam artesãos, os seus dedos...

e, na verdade, "Cibele" parece ser mesmo boa companhia :)

gostei muito dos poemas e das imagens.

uma abraço e o meu sorriso (meio engripado.. rsrs) :)
mariam

arlindo mota disse...

Miriam,
Bem-vinda ao degelo...Deixo-lhe este "reencontro", prenda minha, como diria o Caetano Veloso:
"Em tudo o tempo se houvera,
Como se fora também,
Aconchego de menino
Nos braços de sua mãe"
apm

"A SEDA DAS PALAVRAS"

arlindo mota disse...
Este comentário foi removido pelo autor.