domingo, 8 de fevereiro de 2009

CABO DA ESPERANÇA

Quanto custou dobrar o Cabo,

Assegurar os mantimentos

E o ânimo dos Homens?

País de marinheiros, de aventuras,

Ninguém pergunta quanto custa

Dobrar o cabo da ternura.


Dobrar o Cabo, sem perder a esperança,

E ao sabor do vento navegar,

Indiferente à tempestade ou à bonança,

Ser uma ilha entre o azul e o mar.



Foto e poema: apm

2 comentários:

sofia b. disse...

Voltou a seda das palavras...com um belo poema (Também gostei dos anteriores, mas parecia haver uma lógica de êxodo!)

Seguidora fiel.

Sofia

mariam disse...

'dobrar o cabo da ternura' . fantástico!.

gostei muito.

mariam