quinta-feira, 23 de abril de 2009

ROMANCE "FLOR DE SAL"

Anos trinta. Salazar acabara de chegar ao Poder. Um amor proibido cresce por entre

as areias do pecado e da intriga política.


Arlindo Mota



DE COMO NEM SEMPRE EM TERRA DE CEGOS QUEM TEM UM OLHO É REI...

Nos já longínquos anos trinta do século passado, aconteceram coisas extraordinárias na Vila, na altura pequena povoação ribeirinha do Tejo, afeiçoada aos toiros e farta em marinhas de sal, de casario baixo, disposto paralelamente ao rio, agradável à vista e propiciador de encontros ocasionais entre vizinhos.

Fora aí que o meu bisavô, o licenciado em Direito Artur Homem de Gouveia e Mello, acabara por se fixar, após deambular por seca e meca, exercendo funções de Chefe de Secretaria da respectiva Câmara Municipal, lugar com alguma importância social, mas de baixa remuneração e, como haveremos de topar lá mais para diante, não isenta de perigos, não pelos requisitos especiais da profissão, para a qual estava por demais preparado, mas por motivos que decorriam de outro foro, de contornos políticos associados à implantação do Estado Novo então emergente.

No Clube da Vila era hábito reunirem-se as pessoas gradas da terra, tão só homens, que a isso obrigavam os estatutos da associação e os costumes conservadores daquela época em que às mulheres estava reservado o governo doméstico e o cuidar dos filhos. Gouveia e Mello usava jogar as damas e xadrez com alguns poucos companheiros que partilhavam o mesmo gosto, um pouco raro – reconheça-se - naquele meio onde o prato forte das conversas versavam os toiros, os forcados e as lides, e as histórias incidiam, amiúde, sobre a bravura duma pega de caras mais destemida, que quase sempre deixara marcas físicas, troféus que os rapazes se orgulhavam em ostentar e que captava a atenção das raparigas.

Naquele lugar, onde o tempo era uma sucessão de dias sem grandes motivos de interesse, os hábitos sociais eram um bálsamo para a acídia e um refúgio para o tédio. Duas a três vezes por semana, Gouveia e Mello cumpria o ritual, só quebrado pelas festas concelhias ou pela época balnear – onde se acolhia com a família a Sesimbra, terra piscatória e hospitaleira, apenas com o senão da deslocação se fazer por caminhos íngremes, estreitos e irregulares. Por vezes, a política local atravessa-se na conversa, mas, por uso, não era tema que lhe merecesse mais do que palavras de circunstância, o que ia bem com o carácter circunspecto por que era tido em conta pela generalidade dos convivas.

(Fora aí que Gouveia e Melo acompanhara pelas emissões do Rádio Clube Português – que alinhava abertamente pelos franquistas – as peripécias da Guerra Civil de Espanha. Fora aí também que provavelmente fora urdida a intriga, trôpega mas insidiosa, que serviria de base ao levantamento de um processo disciplinar que o poderia levar à expulsão da Função Pública, coisa que de inicio o chefe de secretaria não levara a peito. Mas não nos adiantemos ao normal curso das coisas...)

Escrupuloso funcionário, não descurava os seus deveres políticos, que as circunstâncias e o tempo exigiam a inscrição na União Nacional e a comparência aos actos oficiais para que era convocado. Mas o acaso quis confrontá-lo entre dois valores: o de obedecer à lei, o que estava de acordo com a sua consciência e com a aura que granjeara de funcionário que sempre prouvera a defesa acérrima dos interesses da Câmara, ou fazer a vontade a meia dúzia de membros da União Nacional, decerto industriados por alguém poderoso que se escondia na sombra, e que, à margem da lei, insistiam na inclusão nos cadernos de “chamadas” eleitorais destinados à eleição da I Assembleia Nacional, de indivíduos que, face à lei vigente, não tinham direito a voto. Perante a insistência, e querendo alijar responsabilidades, bem como a consciência, consultou particularmente o Governador Civil sobre o que deveria fazer. A resposta, também por escrito e com carácter oficial, confirmou o acerto da interpretação de Gouveia e Mello, o que deixou enfurecidos os representantes locais da União Nacional.

Não obstante aquela informação, pessoa da confiança do governador, viera junto dele, três escassos dias antes do envio dos cadernos, para que nele se incluíssem os nomes dos tais indivíduos. Assim se fez, o que deixou o chefe de secretaria taciturno, e fora motivo – confessá-lo-ia mais tarde ao seu amigo, o desembargador Bernardo Coutinho – para pedir transferência para o Ministério das Obras Públicas, em Lisboa. (A inclusão de pessoas à margem da lei nos cadernos eleitorais era então prática corrente: apesar dos partidos políticos estarem proibidos e a oposição não se poder exprimir livremente nas urnas, o regime de então apreciava resultados gordos o que naquelas condições era um apelo à “chapelada” - que os mortos eram chamados a votar, asseverava o meu bisavô, e a História confirma.)

Mas esta atitude de colaboração não lhe trouxe o apaziguamento dos acólitos locais da União Nacional que, a partir daí, lhe foram fazendo guerra surda no sentido de o afastar do cargo que ocupava. Os pomos da discórdia sucediam-se: as reuniões da União Nacional realizavam-se nas instalações dos Paços do Concelho e Gouveia e Mello, apurando que após a sua realização se verificava, reiteradamente, o desaparecimento de artigos de expediente da secretaria, ordenou, com a aprovação do Presidente da Câmara, que apenas as chaves que dessem acesso ao gabinete do Administrador do Concelho, fossem entregues aos membros da Comissão Concelhia da União Nacional. Tanto bastou para que o ódio fosse medrando entre os correligionários afectados que, aproveitando a saída do presidente da Câmara, o qual nutria particular apreço pelo carácter e trabalho desenvolvido pelo Chefe da Secretaria na recuperação das finanças da autarquia e na organização dos serviços que se encontravam, quando assumira funções, em estado caótico, reuniram um conjunto de acusações, que tomadas a sério, significaria não apenas a demissão compulsiva da função pública, como a sujeição a tribunal militar, por traição à pátria, pois como consta dos autos de acusação, o pobre do meu bisavô não só teria levantado obstáculos ao sucesso das eleições, conforme se relatou, como, de acordo com o testemunho de um indivíduo, com fama de ébrio, conhecido por “Mesuras”, quando da sublevação dos marinheiros do aviso Afonso de Albuquerque e do contratorpedeiro Dão, no estuário do Tejo, em Setembro de 1936, cujos estampidos de artilharia se haviam ouvido distintamente, alarmando a vila, teria tido conhecimento dos acontecimentos com antecedência e exteriorizado a sua satisfação perante as vizinhas exclamando em ar de desafio: “Agora é que se vai ver quem ganha...”.


Excertos primeiro capítulo

2 comentários:

mariam disse...

Arlindo,

Parabéns! que seja todo um sucesso!

vou querer folhear este livro :)

um grande abraço amigo e um sorriso :)
mariam

sofia b. disse...

arlindo

para quando e onde a "Flor de Sal"
será lançado (será nesse lugar "onde o tempo era uma sucessão de dias sem grandes motivos de interesse"?).

não esqueça de avisar (o excerto criou-me água na boca)...