segunda-feira, 16 de março de 2009

NAS MARGENS DO TEMPO

Nas margens do tempo, por dentro de mim,

procurei o rio, remirei as águas,

e, nos requebros esperados da maré,

recuperei a infância, fiz um balancé:

Foi o voltear incessante entre o riso,

o pranto, a descrença e a fé;

e nas águas constantes que fluem,

compreendi a mudança que não é.



Poema: apm

2 comentários:

mariam disse...

Arlindo,
é lindo! este poema.
...'remirar nas águas a mudança que não é!'...

a fotografia infra é fantástica também :)

deixo-lhe um grande abraço, um raminho de frésias e o meu sorriso :)
mariam

Mariz disse...

Meu amigo....então esse livro?
Bom..enquanto foi pl...como publicando uns poemas mesmo que pequeninos...mas grandes no contexto...a coisa não está tão má assim...
Também fiz um...já leu? É muito infantil, como eu. Mas eu gosto...é dedicado á nossa Casa Azul.
Gostei muito deste seu poema...mas...descrença? Ou foi só para rimar?
Quem crê...não descrê! A fé é algo que deve ser inabalável - sem fanatismos e religiosidades tacanhas!
Fé e devoção, é para titans! Porque as tentações e o que vai na mente para os atrapalhar o Caminho...é dose!
Então... veja lá se confia novamente.
Quando voltar aqui, já quero ver um sorriso e um ar firme!
Então o seu amigo azul? Não veio desta vez? Não me diga que não se adaptou ás lentes de contacto depois daquele elefante que lhe entrou para o olho!
E já houve mais algum evento com outras figuras de proa lá por Setúbal?
Ah! comento aqui...
Aquela foto que gostei deveras..mas não percebi bem o que é?! Mar dos sargaços? Ou um colchão de água? - srsrssr???
Bom, já piquei o ponto e agora já vou...
Não sei o que é que tem este seu espaço que só aqui e noutro local escrevo tantos disparates...penso que é da liberdade... - que não liberdades! - atenção.
Adeus Arlindo...um iluminado, pelo sol e não só...início da Prima Vera! Ela é um amor...muito simpática!
Gosto muito dela...e ela de mim....

Ciao
Abraço de sempre
eu...eusinha..
Marizinha
srsrssr