quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

OLHARES



OLHARES


olhei para ti,

como um escultor

(que não precisa

de matéria).

basta-me a dor,

para dar corpo

às formas

na memória



(inspirado na tragédia do Haiti)


Foto e poema: arlindo mota

3 comentários:

bonecadetrapos disse...

Na memória. Para sempre em nós.
E na palavra. A sua.



Saudações.
*__bonecadetrapos_*

arlindo mota disse...

Como outras dores.Agora esta é a primeira.

Obrigado pela visita e companhia.

João disse...

Conciso e belíssimo no seu carácter intimista e profundo! Parabéns