quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

O SEGREDO DAS PALAVRAS

0 sonho, Cibele, é uma taça, uma flor ignota, um desejo imenso

que persiste, mesmo se a dor ao colhê-lo o ignore. Cativo, neste lugar,

perco a exacta noção do ser e do não ser, do tudo ou do nada,

( se é que o todo pode estar circunscrito à palavra…)


Procurarás as estrelas, que iluminarão o caminho. Se solitário, a luz é mais intensa.


Despojada de tudo, encontrarás o segredo das palavras:

ternura, amor, ou apenas sede e um sereno gesto a partilhar

na colheita de uma rosa brava.


Poema e foto: apm

1 comentário:

sofia disse...

Olá, arlindo. Pensava, convictamente, que os poemas para Cibele haviam terminado o seu ciclo...não foi assim, para os que gostam de poesia (e da Cibele!). Mas este poema é para além do mais um dos mais belos e profundos (filosóficos) que já vi escrito. Há um verso que deixa uma marca indelével de poeta, quando diz: "Procurarás as estrelas, que iluminarão o caminho. Se solitário, a luz é mais intensa".

Bjos
jsofia