sábado, 31 de março de 2012

PURO SILÊNCIO








O silêncio era a dois, quase perfeito,


o que se ouvia era quase nada,


um fio de água, de nascente,


e o sobressalto de um bater de asas.

arlindo mota

6 comentários:

Filipe Campos Melo disse...

Escuto o silêncio como nascente verso

Um prazer te ler

Abraço

Joana disse...

poema curto para saborear cada palavra: soberbo!

bj

joana

Paulinha Barreto disse...

Muito bom, passando pra desejar um otimo final de semana!!

Canto da Boca disse...

No farfalhar de asas voava a poesia.

Lindo, como sempre, Arlindo!

José Freitas disse...

Estamos num momento de passageira alegria, se gostamos de futebol. O pior é que vem aí as férias e muita gente não tem subsídio de férias, é um castigo extra nesta crise imposta pela Ângela Merkel e pelos seus súbditos.
Este blog é interessante e criativo.
Também tem interesse www.anticolonial21.blogspot.com

mariam disse...

Tão Belo.


beijinhos :)
MARIAM