domingo, 29 de agosto de 2010

RETRATO MERIDIONAL



















RETRATO MERIDIONAL


Foi a Sul, onde as cores se misturam a quente

embutindo gente e sofrimento

E a paisagem pintada por dedos hábeis, cálidos

é ouro rendilhado a sol e vento

na amplitude das margens que cavaram


Aí crescera: criança, querubim, esposa, amante

Vivera até ao fim, talvez um pouco mais adiante,

no limite, o azul que lhe traçaram



arlindo mota

foto: arlindo pato mota

4 comentários:

Joana disse...

Tocou-me muito este retrato "meridional", de que gostei muito...A escultura que consta da foto é muito bem escolhida (e criativa)...

joana

Tere Tavares disse...

Um conjunto de rimas elegantes, aliadas à imagem, à perspectiva nunca vã da linguagem. Parabéns!

arlindo mota disse...

há um fascínio pelas gentes sofridas do Sul e sua tenacidade e melancolia.
a foto da escultura (arte pública)nem sequer faz juz à obra de arte, que faz parte de um pequeno conjunto...infelizmente não consegui captar o nome do artista.

arlindo mota disse...

a Tere Tavares,

obrigado pela visita e pela leitura que é sempre um incentivo inestimável de quem escreve...