domingo, 16 de maio de 2010

OS LOUCOS DA MINHA RUA




O ar que se respira, carbono negro, denso,

quase impuro, nada tem a ver com a cor,

nem com as guelras (do odor não me lembro),

vem da memória, dizes, talvez do coração,

pois nem o pulmão que o inspira, sente.

Assim se vão passando os dias, indolentes,

aqui no asilo, onde às árvores chamam gente,

e elas murmuram entre dentes, qualquer coisa,

que bem podia tratar-se de sementes.

Mas não, é coisa de doentes…



arlindo mota


foto de um quadro de Toni Puig

8 comentários:

OUTONO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
OUTONO disse...

Meu caro

Peço desculpa, por ter anulado o meu comentário. Reparei que tinha cometido um erro...

Agora sim.

"O ar que se respira"...neste escrever sedento e, tão verdade do que se sente.

E as imagens, palavras contorno...:

"onde às árvores chamam gente..."

Direi...porque escrever GOSTO é pouco...momento de sorte este...num dia aziago ter este bálsamo cultural ( a que já me habituei...diga-se)

Um abraço e obrigado

18 de Maio de 2010 15:23

arlindo mota disse...

caro amigo,

nem sabe quanto lhe fico grato pelo seu comentário, não pela vaidade que a idade vai desvalorizando em troca de algum reconhecimento, como há dias, em que me sinto "arvore" também, e gostei particularmente que tivesse apanhado o cerne do poema. pela sua agudeza no olhar e amizade posta no expressar tão rara em nós homens, o meu bem haja, e que haja mais encontros fecundos de inteligência, emoção e, porque não, um pouco de arte...

abraço amigo e obrigado

G... disse...

O ar pesa, para alem da cor, para alem do odor, para alem do som imperceptivel que geme quando o empurram e o fazem vento. Brisa nao... que esta denso de cansaco... Brisa nao que a doenca polui a periferia da alma.
De que padece o coracao?...

NOTA: os acentos inexistentes, sao da exclusiva responsabilidade dos teclados americanos. Mas o comentario impunha-se.

arlindo mota disse...

...feito o poema, ele não nos pertence mais...resta-me agradecer a companhia e o desejo de que seja FELIZ (vi no perfil...)enquanto o coração (dpois aurículos e dois ventrículos e o sangue no seu ritmado movimento)cumpre a sua função...

Joana disse...

Gostei muito do poema, pese o ar pesado que se respira (mas o que me ficou foi uma sensação de que as palavras quando usadas com talento são um poderoso instrumento de comunicação e fruição).bj

Canto da Boca disse...

Irretocável, eu diria! Lembrou-me um fragmento de umas das narrativas de Sartre, do seu livro O Muro...

A loucura como argumento, para quem não quer ver a vida que brota, nem que seja assim, num tom e num sabor carbono, um elemento desde sempre...

Parabéns! Lindo, lindo!

;)

arlindo mota disse...

...não posso deixar de sublinhar a argúcia e a cultura que os seus comentários revelam. é bom ter um um interlocutor assim: o "muro" de Sartre é uma obra-prima, a mera comparação é um estímulo sem preço!

obrigado pela partilha -:)